Após 13 anos, açude Gargalheiras inicia sangria e sertanejos comemoram com fogos e orações

0

Transbordo não acontecia desde maio de 2011. Açude foi cenário da gravação do filme ‘Bacurau’ quando estava seco.

 

 

Após 13 anos, o açude de Gargalheiras, na cidade de Acari, na Região Seridó do Rio Grande do Norte, iniciou a sangria por volta das 23h30 desta quarta-feira (3). A última vez que isso havia acontecido foi em maio de 2011.

No Gargalheiras, o transbordo acontece por uma parede de mais de 20 metros, proporcionando o que os sertanejos da região chamam de “véu de noiva” quando há a queda d’água, mas esse espetáculo ainda não começou.

👉 Contexto: A “sangria” é o termo usado quando o reservatório chega à sua capacidade máxima e transborda. Patrimônio histórico, geográfico, paisagístico, ambiental e turístico do Rio Grande do Norte, o Gargalheiras serviu de locação para o filme “Bacurau” em 2018 e é um dos maiores açudes do estado.

Apesar da sangria ainda tímida, houve fogos, orações e muita comemoração no local. Centenas de pessoas aguardavam a sangria às margens do Gargalheiras.

Imagens aéreas mostram sangria

 

‘Vigília’ com churrasco e forró

 

Desde a segunda-feira (1º), moradores da cidade de Acari e da Região Seridó do estado faziam uma espécie de “vigília” às margens do açude à espera da sangria. Na madrugada desta quarta-feira (3), por exemplo, houve forró, churrasco e até festa de aniversário no local.

O açude de Gargalheiras tem capacidade para armazenar mais de 44 milhões de metros cúbicos de água. Para se ter ideia do tamanho desse reservatório, ele é suficiente para abastecer uma população de 56 mil pessoas por cerca de 4 anos.

Período de seca e cenário de ‘Bacurau’

 

Desde a última sangria, em 2011, o Gargalheiras passou por momentos difíceis com a falta de chuvas na região, chegando a ficar completamente seco em alguns momentos entre os anos de 2017, 2018 e 2019.

Num desses momentos sem água, o açude serviu de cenário para o filme brasileiro “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, lançado em 2019.

Kleber Mendonça, inclusive, compartilhou em uma rede social imagens que mostram o Gargalheiras em 2018, durante as gravações do filme, e neste mês de abril de 2024.

40 dias: de 1% de volume à sangria

 

Em cerca de 40 dias, o açude de Gargalheiras saiu de 1% de volume de água para a sangria. Em 22 de fevereiro, o açude tinha 1,63% do volume de água, de acordo com o Instituto de Gestão de Águas do RN (Igarn).

No relatório semanal mais recente divulgado pelo instituto, na quinta-feira passada (28), o Açude Gargalheira apresentava 36% de acúmulo de água – e esse já era o maior volume registrado no reservatório desde 2012.

Além das chuvas que caíram nos últimos dias no estado, o aumento no nível do Gargalheiras foi impulsionado também pela sangria do Açude Dourado, em Currais Novos, que levou parte da água para o açude de Acari.

Por g1 RN e Inter TV Cabugi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *