Falhas defensivas e altitude comprometem desempenho em estreia do Flamengo na Libertadores

0

 

 

O fantasma voltou a assombrar, e o Flamengo deixou Bogotá com um gosto amargo na bagagem. O empate com o Millonarios aconteceu após uma falha defensiva e serviu de alerta para o que pode ser o maior adversário do Grupo E da Libertadores: a altitude.

Já nos primeiros minutos era possível perceber a dificuldade do Rubro-Negro, que até se apresentou bem fisicamente e sofreu mesmo para se adequar ao tempo da bola. A altitude faz a bola correr muito mais rápido, e o Flamengo tentou, desde o primeiro momento, administrar a posse para evitar riscos.

Funcionou pelos primeiros 15 minutos. Foi o tempo que o time conseguiu se impor e, logo aos cinco minutos, viu Viña perder aquela que foi a melhor chance da partida. Em um jogada entre Cebolinha e Bruno Henrique, o lateral uruguaio ficou livre com a sobra, mas pegou mal na bola e isolou.

Pouco tempo depois, Arrascaeta fez jogada individual, a bola sobrou para o camisa 27 e o chute obrigou o goleiro do Millonarios a fazer grande defesa. Com jogadores espaçados e com o lado esquerdo cedendo muito espaço, o Flamengo viu o time da casa crescer, ter a posse para atacar e criar perigo.

rossi, fabricio bruno, flamengo, millonarios — Foto: REUTERS/Luisa Gonzalez

rossi, fabricio bruno, flamengo, millonarios — Foto: REUTERS/Luisa Gonzalez

As dificuldades de encaixar a marcação e acompanhar a intensidade imposta pelos colombianos passavam pela péssima noite de Viña e pelo o nervosismo de Igor Jesus, que substituía aquele que é o “motor” da equipe segundo Tite: De la Cruz. O meia apresentou quadro viral e sequer foi relacionado.

Milloranios poderia ter aberto o placar antes do intervalo, mas parou na trave e em uma boa defesa de Rossi. Foram apenas duas chances claras, mas os colombianos deram outros nove chutes a gol no primeiro tempo. Enquanto isso, no Flamengo , foram apenas as duas citadas acima.

Para o segundo tempo, Tite consertou um dos erros inicias da escalação: Allan entrou no lugar de Igor Jesus. A cartada funcionou, e o Flamengo deu sinais do que vinha apresentando nos últimos jogos. Começou a ter controle do meio-campo, apesar de lento nas transições.

Allan talvez tenha tido uma das melhores atuações desde que chegou. Colocou em campo um dos motivos que justificaram a sua contratação: a mobilidade na saída de bola. Deu qualidade aos passes e fez Pulgar crescer no meio. Apesar de ter o controle, o Flamengo ainda sofreu para criar.

O gol saiu aos 15 minutos após uma jogada de Arrascaeta, que recebeu sozinho, ia avançar para a cara do gol, mas foi derrubado por Vásquez que acabou expulso. Pedro converteu a cobrança. E o Flamengo passou a jogar com um a mais. Os pouco mais de 30 minutos em vantagem numérica não garantiram o resultado.

Sem conseguir criar, o time de Tite não matou o jogo. Administrou o resultado enquanto pôde. Ou melhor: até Rossi forçar um passe para Pulgar. O chileno não dominou a bola que veio muito forte e deu o contra-ataque ao Millonarios.

Pulgar, que era um dos melhores em campo até o momento, ainda tentou recuperar a bola, mas acabou no chão depois de um drible de Emerson Rodriguez. O colombiano cruzou para Daniel Ruiz marcar. O gol foi o primeiro sofrido por Rossi em partidas oficiais da temporada e deu fim a sequência sem ser vazado. Ao todo foram 1.134 minutos.

– A gente errou muitos passes, a altitude proporciona isso, o que impediu de acionar os atacantes com melhor qualidade. A bola corre mais. Voltamos melhor no segundo tempo, com superioridade e fizemos o gol. O futebol é assim. Tem esses detalhes. Jogo dominado, com chance de fazer o segundo. Uma jogada individual, deu o gol deles – comentou Tite em coletiva.

 

O resultado é decepcionante diante ao cenário que se desenhou a partida e traz à tona a atenção necessária para a Libertadores. Mas, antes de pensar nos 4.000m de La Paz, da partida contra o Bolívar, o Flamengo tem a final do Carioca para começar a apagar o trágico ano de 2023 sem títulos.

Por Letícia Marques, ge — Bogotá, Colômbia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *