Trabalhadores de Alagoas são resgatados de trabalho análogo à escravidão em fazenda no ES

0

 

 

Doze alagoanos da cidade de Penedo foram resgatados na noite desta terça-feira (14) de uma fazenda no Espírito Santo após denúncia de que viviam em situação análoga à escravidão. Eles viajaram com a promessa de trabalhar em uma lavoura de café, mas disseram que não estavam recebendo o pagamento pelas atividades.

Os próprios trabalhadores, 11 homens e 1 mulher, que fazia a função de cozinheira, conseguiram gravar um vídeo onde relataram a situação a qual estavam sendo submetidos. Nele, os trabalhadores disseram que não havia café suficiente para colheita e que estavam morando em situação insalubre, sem água tratada para beber e em um local com muitos insetos.

Além disso precisavam pagar pela comida e a dívida já estava em R$ 11 mil. Os documentos pessoais dos trabalhadores ficaram retidos pelo dono da fazenda, o que impedia o retorno deles para Alagoas.

O vídeo chegou ao conhecimento da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Alagoas, que acionou a Polícia Militar capixaba para resgatar os trabalhadores. O superintendente Cícero Filho informou que os militares foram até o local, averiguaram a denúncia e confirmaram os fatos. A operação de resgate contou com a participação do Ministério do Trabalho, Polícia Federal e Ministério Público da União.

“Eles tinham chegado no estado do Espírito Santo há cerca de 12 dias. Os trabalhadores agora estão acomodados em um local adequado, onde durante o dia de hoje [quarta-feira] vão prestar depoimento e todos os procedimentos serão adotados pelo MTE para instruir a autuação e resguardar os direitos desses trabalhadores”, explicou o superintendente Cícero Filho.

A condução dos trabalhadores para Alagoas deve ser feita pela Polícia Federal. Ainda não há previsão para quando eles devem chegar no estado. “Agora é aguardar o retorno desses trabalhadores para Alagoas, para que os demais procedimentos sejam adotados”, disse Cícero.

Por g1 AL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *